Em tempo de pandemia do Coronavírus (Covid-19), a agricultura familiar enfrenta o desafio de garantir a continuidade da produção.

Em tempo de pandemia do Coronavírus (Covid-19), a agricultura familiar enfrenta o desafio de garantir a continuidade da produção.

Diante disso nesta sexta-feira (27), trabalhadores e trabalhadoras do acampamento Egídio Brunetto, no município de Prado, extremo sul da Bahia, iniciaram à amanhã com sementes e enxadas na mão, dando continuidade ao avanço produtivo na área social, com o plantio de amendoim, abóbora, milho, feijão de corda, aipim e mandioca.

Segundo, Manoel Domingues (Lapinha) Coordenador do Acampamento, a atual conjuntura enfrentada pela classe trabalhadora, faz com que seja ainda mais importante uma produção saudável, intensificada e com base nas diretrizes da agroecologia.

O MST segue cultivando e respeitando as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), para assegurar uma alimentação de qualidade na mesa da população do campo e da cidade, e ao mesmo tempo garantindo os cuidados necessários com a saúde.

“As famílias Sem Terra estão sendo orientadas através do setor de saúde, sobre os cuidados para o combate ao Coronavírus, entre eles a importância de evitar a aglomeração de pessoas e higienização das mãos com água e sabão” Concluí Domingues

A agricultura familiar não pode parar, pois a mesma cumpre o papel social importante, com abastecimento de alimentos, que tanto precisamos neste momento para enfrentar a pandemia.

Fechar Menu