NOSSA SOLIDARIEDADE A DEYVID BACELAR, AO SINDIPETRO E A FUP

NOSSA SOLIDARIEDADE A DEYVID BACELAR, AO SINDIPETRO E A FUP

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra vem através deste repudiar os atos ilegais, arbitrários, autoritários e fascistas da direção da Petrobras contra os trabalhadores(as) petroleiros, seu sindicato e seus dirigentes sindicais, e ao tempo prestamos nossa solidariedade a resistência e luta dos petroleiros em defesa de seus direitos, contra a entrega da Refinaria Landulpho Alves (RLAM) ao capital estrangeiro.

Configura-se em um ato ilegal e uma afronta ainda a Convenção 135 da Organização Internacional do Trabalho, a democracia e a constituição brasileira que reconhece o direito de greve e de organização sindical das categorias de trabalhadores, as garantias legais e constitucionais do mandato sindical.

A perseguição que a direção da Petrobras estar realizando contra os trabalhadores e seus dirigentes sindicais, em função da greve legal que a categoria realizou denunciando as más condições de trabalho, e a perda da soberania energética do país em consequência da venda da primeira refinaria da Petrobras no país, a Refinaria Landulpho Alves (RLAM).

Os sindicatos são representações legitimas dos trabalhadores e seus direitos e se fazem imprescindíveis neste momento de perdas salariais, e aumento das violações de direitos e precarização das condições elementares de trabalho, perda do patrimônio nacional construído pelos trabalhadores.

O Sindipetro e a FUP, tem legitimidade e o dever de defender os direitos e exigir proteção dos trabalhadores neste momento de perdas de vidas e adoecimentos causados pelas más condições de trabalho, pela pressão das ameaças e demissões, pelas infecções e morte em decorrência da pandemia da Covid-19.

Em vez de atender às reivindicações da categoria petroleira em luta, a direção da Petrobras, no dia 5 de abril, afastou do trabalho o coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros, Deyvid Bacelar, em exercício legal do seu mandato sindical, lhe impondo suspensão de 29 dias de trabalho, com o claro objetivo de intimidar e punir os trabalhadores para não se mobilizem por seus direitos e empregos.

Exigimos respeito aos direitos dos trabalhadores e à liberdade sindical e reafirmamos toda a nossa Solidariedade a David Bacelar, ao Sindipetro e a FUP.

Lutar não é crime!

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST

Fechar Menu